Black Friday: Procon divulga “lista negra” dos sites de vendas

No total, 419 empresas estão negativadas na base de dados do órgão

Se você é daqueles consumidores que não perdem uma boa opção de compra em datas como o Black Friday e que costuma fazer compras pela internet, fique atento: são muitas as páginas de empresas que não entregam o que vendem e que acabam deixando o consumidor no prejuízo. Neste ano, o Procon de São Paulo atualizou a “lista negra” na qual constam informações sobre 419 empresas. Destas, 16 entraram no levantamento somente nos primeiros quatro meses deste ano – abril foi o mês com o registro mais recente. Clique aqui e veja a lista.

As campanhas de superdescontos denominadas Black Friday têm início no dia 23 de novembro. Os sites que estão na “lista negra” do Procon devem ser evitados porque receberam reclamações de consumidores registradas no órgão fiscalizador, foram notificados, não responderam ou não foram encontrados.

Dos 419 registros de Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) ou de Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) fiscalizados, 252 empresas estão com o endereço eletrônico fora do ar e 167 têm sites ativos.

De acordo com o Procon-SP, 2.091 queixas foram feitas por consumidores durante a edição passada da Black Friday, em 2017. Entre elas estão “maquiagem de desconto”, quando se aumenta o preço antes da data para, em seguida, aplicar um desconto que, na verdade, iguala o desembolso do consumidor com o valor anterior.

Também foram identificados casos em que o produto ou o serviço oferecido não estar disponível no estoque da loja virtual.

Há também casos em que a loja mudou o preço do item quando o consumidor finalizou a compra e pedidos cancelados pela empresa após a finalização da aquisição.

Com informações do jornal Estadão.

(Visited 320 times, 1 visits today)

Comentários

comentários

Editorial
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!