Gleisi Hoffmann é hostilizada em avião; veja o vídeo

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) passou por uma verdadeira saia-justa ontem. A ex-ministra, que também é presidente nacional do PT, foi hostilizada por uma passageira em um avião no Aeroporto Nacional de Brasília. Segundo a senadora, ela foi “agredida verbalmente” pela mulher antes de desembarcar da aeronave.

A altercação, que foi gravada em vídeo pela própria passageira, mostra Gleisi Hoffmann  sentada em uma das poltronas da frente, quando é confrontada pela mulher inconformada, que filma com o celular. “E aí senadora Gleisi Hoffmann? A senhora já devolveu o dinheiro dos aposentados e pensionistas do Brasil?”, diz a passageira. “A senhora será jogada na lata do lixo. Nós, paranaenses, vamos fazer esse favor para o povo brasileiro”, completa a mulher, visivelmente nervosa.

Um assessor da petista, então, se colocou entre as duas para evitar agressões. Nesse momento, Gleisi se virou para a mulher sorrindo e afirma que ela seria “eleitora de Aécio”. Irritada, a mulher ignorou o comentário da senadora e seguiu com as ofensas.

Senadora Gleise Hoffman se manifestou por meio das redes sociais logo após ter sido hostilizada (Reprodução: Twiter)

Entre os xingamentos, a presidente do PT foi chamada de “covarde”, “ladra” e “corrupta”.

Após o episódio, Gleisi foi às redes sociais e comentou o ocorrido. “Fui agredida aos berros dentro de um avião por uma mulher descontrolada”, escreveu a senadora, que ainda apontou que solicitou a presença da Polícia Federal e registrou ocorrência contra a passageira. “Liberdade de expressão e manifestação não são sinônimos de agressão”, conclui a ex-ministra.

Corrupção – A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, já pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a condenação da senadora Gleisi Hoffmann e de seu marido, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato.

O pedido faz parte das alegações finais da ação penal na qual ambos são acusados de receber R$ 1 milhão para a campanha da senadora em 2010. Na manifestação, a última fase do processo antes da sentença, Raquel Dodge pede que Gleisi e Paulo Bernardo sejam condenados ao pagamento de R$ 4 milhões de indenização aos cofres públicos, valor quatro vezes maior que o montante que teria sido desviado da Petrobras.

Veja o vídeo

(Visited 302 times, 1 visits today)

Comentários

comentários

Editorial
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!