Policiais utilizam blindado para derrubar memorial de homenagem à vítimas de operação que deixou 28 mortos
12, maio 2022 .
11:00

Policiais utilizam blindado para derrubar memorial de homenagem à vítimas de operação que deixou 28 mortos

Uma placa de concreto com os nomes dos 28 mortos na Operação Exceptis, em maio do ano passado, foi retirada pela Polícia Civil, na tarde desta sexta-feira, dia 11, do interior da comunidade do Jacarezinho, com a justificativa de se tratar de apologia ao tráfico de drogas.

O memorial, colocado por movimentos sociais, não tinha autorização da Prefeitura para ser construído em via pública. Além disso, continha o nome do agente André Frias, morto na operação, ao lado dos outros 27 mortos, apontados como traficantes pelas investigações.

Ao DIA, a viúva do agente, Jaqueline de Souza, disse que não concordava com a inclusão do nome. “O André (Frias) confrontou para libertar os oprimidos pelo tráfico naquele ambiente hostil de criminalidade. Um homem íntegro, honesto, trabalhador e reconhecido policial. É um insulto à memória do nome dele, essa citação neste monumento em conjunto com os nomes de suspeitos e traficantes. Respeitem a minha dor”, disse.

Para a ação de retirada, agentes da Core (Coordenadoria de Recursos Especiais) foram chamados. Uma corda foi amarrada ao concreto que continha os nomes fixados em pequenas placas de metal, sendo puxada por um veículo blindado. Após a queda, os agentes usaram marretas para destruir o restante do concreto fixado.

A placa havia sido colocada na última sexta-feira, ocasião de um ano da operação. Para alguns movimentos sociais, a ação se tratou de uma chacina. Para a polícia, foi uma operação legítima. As investigações feitas pela Força-Tarefa do Ministério Público se encerraram no mesmo dia da inauguração do memorial.

Nela, 10 das 13 investigações foram arquivadas. Os arquivamentos são relacionados a 24 das mortes. Já três agentes foram acusados pelo Ministério Público de execução; um quarto por fraude processual.

Em relação à morte de Frias, o Ministério Público denunciou dois traficantes como os mandantes; o autor do disparo teria sido morto em outra operação.