Senador quer inviabilizar homenagem a Bolsonaro

Parlamentar dos EUA pede que hotel não sedie evento ao presidente brasileiro

O senador democrata Brad Hoylman, um dos representantes de Nova York no Congresso americano, publicou uma carta para o hotel Marriot em que pede o cancelamento de uma homenagem para Jair Bolsonaro.

Entre outras críticas, o democrata, que se apresenta como o único representante da comunidade LGBTQ nova-iorquina no Senado, citou o episódio em que o presidente brasileiro disse que seria incapaz de amar um filho gay.

“Além disso, Bolsonaro já disse que uma deputada brasileira não merecia ser estuprada porque ela é muito feia”, acrescentou Hoylman, em referência ao embate entre Bolsonaro e a petista Maria do Rosário.

Depois das recusas do Cipriani Hall e do Museu da História Natural, o hotel Marriot surgiu como o endereço em que a Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos pretende entregar o título de Personalidade do Ano ao presidente brasileiro.

Os ingressos para o jantar de gala, com preço individual de US$ 30 mil, esgotaram no começo deste mês. Dias depois, Bill de Blasio, prefeito de Nova York, chamou Bolsonaro de “ser humano perigoso”, racista e homofóbico. Naquele momento, o prefeito pedia que o Museu da História Natural não recebesse o evento.

A premiação da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, realizada anualmente, já homenageou Sérgio Moro, ministro da Justiça, e Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central.

Críticas – Na carta, o senador americano disse estar “profundamente preocupado” com a mensagem que o hotel Marriot passa à população nova-iorquina ao receber a homenagem a Bolsonaro. Afirmou também que o presidente brasileiro tem um histórico “extremamente perturbador” de declarações intolerantes e misóginas.

Isto É

(Visited 23 times, 1 visits today)

Comentários

comentários

Editorial
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
Últimas Notícias