Covid: Marquinhos Trad instala túneis de desinfecção prejudiciais à saúde

Não recomendados pela Avisa, equipamentos doados pela Plaenge tiveram de ser retirados dos terminais de ônibus

Na ânsia de mostrar serviço e atrair holofotes, o prefeito Marquinhos Trad pagou mico nesta segunda-feira e ainda envolveu a construtora Plaenge na patetada após ser informado de que os túneis de desinfecção instalados nos terminais do transporte coletivo da Capital, além de ineficazes, também podem colocar em risco a saúde da população. Por conta disso, os equipamentos tiveram de ser desinstalados às pressas.

A mais recente bola fora do prefeito foi anunciada na sexta-feira passada como mais uma arma no combate à transmissão do coronavírus. Trata-se de tuneis de desinfecção que borrifam ozônio nas pessoas. O equipamento, produzido pela empresa B3Bauru, de Bauru (SP), informa que o túnel tem um sistema que pulveriza ozônio umedecido para atingir a parte superficial do corpo, como roupas, acessórios e calçados.

Equipamentos borrifam ozônio no passageiro para desinfetar roupas e calçados (Foto: Kísie Ainoã/CG News)

Segundo as explicações, é preciso que a passagem seja de forma contínua, por cerca de 10 a 15 segundos, para garantir a eficácia da aplicação. No entanto, nota técnica da Anvisa publicada no dia 7 de maio alerta que produtos químicos, com exceção do ozônio, foram aprovados para desinfecção exclusiva de superfícies, não de seres humanos.

Dez dias depois do alerta, Marquinhos Trad e sua equipe ignoraram a nota técnica  – ou talvez pela pressa não tenham tido conhecimento a respeito da mesma –, instalaram e ativaram o equipamento no ultimo sábado, 16 de maio, no Terminal Morenão. As outras unidades foram instaladas no final de semana e também hoje nos terminais Guaicurus, Bandeirantes, Júlio de Castilhos e General Osório.

Nesta segunda-feira, porém, foram todos desinstalados, pois conforme a Avisa, entre os possíveis efeitos adversos estão reações alérgicas, irritação na pele, no nariz, na garganta e no trato respiratório, além de bronquite, dentre outros males à saúde.

A agência informou que não encontrou evidências científicas, até o momento, de que a borrifação de ozônio seja eficaz no combate ao novo coronavírus. Segundo a Anvisa, a duração do procedimento, entre 20 e 30 segundos, não seria suficiente para garantir o processo de desinfecção. A instituição alertou ainda que o sistema não inativa o vírus no corpo humano.

Insistência

O secretário municipal de Governo e Relações Institucionais, Antônio Cézar Lacerda, informou hoje que o município encomendou estudos para Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) e Vigilância Sanitária para ampliar as opiniões sobre a eficiência da câmara de desinfecção. O estudo deve ser finalizado até amanhã, segundo ele.

Lacerda admitiu o alerta da Anvisa sobre os efeitos colaterais da medida, e apontou a possibilidade de transferir os túneis dos terminais para hospitais, “onde os profissionais da Saúde estariam com vestimentas que protegem a pele”.

A agência nacional detalha que é possível o uso de saneantes para profissionais de saúde, desde que tenham a eficácia testada e que estes trabalhadores usem EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) que impeçam o contato do produto químico desinfetante com pele, olhos e mucosas.

Os equipamentos não geraram custos para o município, segundo Lacerda. A Construtora Plaenge entrou como parceira no projeto e deve ter arcado com os custos. Felizmente, a população conseguiu sair incólume de mais essa lambança da administração municipal.

(Visited 1.337 times, 13 visits today)

Comentários

comentários

Editorial
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!