Caso Queiroz levanta suspeita sobre relação de Wassef com miliciano

A operação Anjo e as declarações recentes do ex-assessor de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) aproximam as suspeitas do Ministério Público do Rio entre as relações de Frederick Wassef e milicianos. O advogado ligado à família Bolsonaro teria atuado no sumiço do ex-PM Adriano da Nóbrega, morto na Bahia em fevereiro deste ano, durante uma ação da polícia.

Ex-capitão da Polícia Militar, Adriano estava foragido há um ano e era acusado de integrar uma milícia. O advogado Paulo Emílio Catta Preta, que agora defende Fabrício Queiroz, era o antigo defensor de Adriano da Nóbrega .

No pedido de prisão de Queiroz, a Justiça do Rio chegou a dizer que Adriano iria organizar um plano de fuga para toda a família do ex-assessor de Flávio.

Wassef negou durante meses que escondia Queiroz em sua casa e que mantinha qualquer vínculo com o amigo pessoal do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). No entanto, à Veja o ex-advogado da família Bolsonaro confessou que deu abrigo para Queiroz. A justificativa era evitar que alguém o matasse.

(Visited 1 times, 1 visits today)

Comentários

comentários

Editorial
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!