Deputado bolsonarista usou esposa de assessor para criar site atacando Doria

Um site que defende o impeachment do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), foi criado pela esposa de um dos assessores do deputado estadual Gil Diniz (PSL-SP), defensor do presidente Jair Bolsonaro conhecido como “Carteiro Reaça”, segundo informações divulgadas pela revista Veja

O domínio www.placarforadoria.com.br foi criado a pedido de Gil Diniz, segundo o próprio relatou à revista. O site defende o pedido de impeachment de Doria que foi protocolado no dia 22 de abril pelos deputados Gil Diniz, Douglas Garcia, Major Mecca, Frederico D’Avila, Valeria Bolsonaro, Tenente Coimbra, Tenente Nascimento e Letícia Aguiar, todos do PSL, e Edna Macedo, do Republicanos.

O deputado estadual Gil Diniz, do PSL de São Paulo (Foto: Carol Jacob/Alesp)

Na plataforma há um placar que mostra quais parlamentares da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) são a favores do impeachment (15), quais são contra (23) e quais ainda não se posicionaram (56).

“Fui um dos primeiros perfis verificados a falar do site. Aqui do lado da Alesp há o acampamento que pede o impeachment de Doria. Eu e outros colegas somos cobrados, nos pediram para organizar uma plataforma que compilasse a posição dos parlamentares em relação a isso. [Raphael] Azevedo, meu assessor, toma conta de minhas redes sociais, faz meus posts. Pedi a ele que fizesse o site. Paguei 40 reais do meu bolso para adquirir o domínio, e ele registrou no nome dela”, relatou Gil Diniz à revista. 

Apesar disso, não há nenhuma menção no site ou na página de Facebook com o mesmo nome que as ligue ao deputado Gil Diniz.

“Quando o site ficou pronto, divulguei nos meus perfis. Não foi para esconder nada. Afinal, se eu quisesse terceirizar essa iniciativa, não estaria na linha de frente pedindo o impeachment do Doria. O intuito do site é divulgar o pedido de impeachment, porque estou engajado nisso”, se defendeu.

O  site afirma que “as ilegalidades cometidas por João Doria são várias. Mas temos um caso emblemático. Em plena quarentena – na qual os comércios permanecem fechados – o governador Doria quer a instalação de radares móveis em São Paulo. Doria gastou R$ 11 milhões em contratos sem licitação para comprar os radares. O Decreto de Calamidade Pública serve para amparar a manutenção e contratação dos serviços considerados essenciais no Estado de São Paulo. É óbvio que esse não é o caso da instalação de radares móveis. Precisamos, agora, do apoio de todos vocês para manter a pressão popular”.

Contudo, o Departamento de Estradas de Rodagens (DER), responsável pelos radares, cancelou o pedido pelos radares ainda em abril, antes mesmo de Diniz e outros deputados entrarem com um pedido de impeachment contra Doria na Alesp, o que ocorreu em 22 de abril. O órgão também alega que “não utilizou, em hipótese alguma, o decreto de calamidade pública para a contratação do serviço de radares”. 

O DER afirma que “o processo de contratação era anterior à pandemia do coronavírus” e “devido ao atual momento de crise do COVID-19, decidiu suspender esses contratos e publicou isso nas edições de 18 e 23 de abril do Diário Oficial. O motivo da suspensão se deve ao fato de o Governo de São Paulo estar redirecionando recursos para conter a doença”.

(Visited 15 times, 1 visits today)

Comentários

comentários

Editorial
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
Últimas Notícias